terça-feira, 23 de agosto de 2011

Felicidade que consome

A felicidade é um sentimento que consome. Sim, CONSOME. Neste momento, estou radiante de felicidade. Não consigo estudar, pensar ou raciocinar, pelo simples fato que estou muito feliz. Motivo de minha felicidade é que fui selecionada para participar de algo que não esperava. Parece simples, mas para minha mente é como ganhar um prêmio. E porque não é?

Essa felicidade toda, esse êxtase, essa excitação está tomando conta de um tempo que não era para estar tão ocioso. No meu curso hoje, tive que me dividir entre momentos em que brigava comigo para manter a atenção na palestra, e no que eu desistia me entregava a excitação. Tenho que resguardar essa alegria toda, pois ela pode gerar inveja, energias negativas, e por fim tudo pode dar errado.

Isto é o ser humano, reclama até mesmo do excesso de felicidade. Não sei como funciona, mas isso é meio coletivo. Estamos tão acostumados com a mesmice que quando a felicidade é demais estranhamos. Eu estou estranhando esse sentimento que me consome, que não me permite seguir a rotina do meu dia-a-dia. Consumindo, tomando conta do meu corpo, deixando minhas pernas trêmulas, a respiração ofegante, corpo quente.

Enfim, desisti de tentar seguir minha rotina, porque infelizmente a felicidade nesse estágio não é comum, agora me entrego a essa sensação, deixando-me consumir. O coração dispara mais, a mente viaja para todos os lugares que estão ao seu alcance, o sorriso não sai mais do meu rosto. E eu só consigo agradecer ao universo pelo dia de hoje, e que todas as pessoas do mundo possam um dia ser consumido pela felicidade. Deixo-me ser consumida...

"FELICIDADE ME CONSUMA, hoje e sempre. Quando quiseres. E se possível, consuma o mundo e todos que nele estão!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário